segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

António Ramos Rosa

Amo o teu túmido candor de astro

a tua pura integridade delicada
a tua permanente adolescência de segredo
a tua fragilidade acesa sempre altiva
Por ti eu sou a leve segurança de um peito
que pulsa e canta a sua chama
que se levanta e inclina ao teu hálito de pássaro
ou à chuva das tuas pétalas de prata
Se guardo algum tesouro não o prendo
porque quero oferecer-te a paz de um sonho aberto
que dure e flua nas tuas veias lentas
e seja um perfume ou um beijo um suspiro solar
Ofereço-te esta frágil flor esta pedra de chuva
para que sintas a verde frescura
de um pomar de brancas cortesias
porque é por ti que vivo é por ti que nasço
porque amo o ouro vivo do teu rosto

6 comentários:

  1. Que lindooooo...Um amor assim é que todos desejamos, amor pleno e intenso.Bjos achocolatados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada,pela visita,beijinhos..............

      Eliminar
  2. Oi!!!!!!!! querida....

    Passei por aqui,para te dizer que Adorei "este teu "Cantinho"....
    Adoro Ramos Rosa e este poema em especial---

    Beijinhos

    ResponderEliminar